| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Imbu Brasil
Desde: 03/04/2001      Publicadas: 27      Atualização: 12/05/2012

Capa |  Artigos  |  Artigos publicados


 Artigos

  01/10/2005
  0 comentário(s)


Consumo de frutos do imbuzeiro por caprinos

RESUMO





As caatingas podem ser caracterizadas como florestas arbóreas ou arbustivas, compreendendo principalmente árvores e arbustos baixos muitos dos quais apresentam espinhos, microfilia e algumas características xerofíticas. Contudo, algumas plantas nativas da região como a quixabeira, o juazeiro, a faveleira, a jurema, o licuri, a macambira, o mandacaru e o imbuzeiro conseguem sobreviver as adversidades climáticas da região e produzir frutos, folhas e partes comestíveis para alimentação dos animais domésticos e silvestres. O rebanho de caprinos da região semi-árida do Nordeste esta estimado em 8,3 milhões de cabeças. A maior parte desses animais, vive em sistemas de pastejo extensivo, onde a caatinga é o principal sustentáculo para os rebanhos. Contudo, a escassez de recursos naturais, com destaque para a água, torna a criação de animais no Nordeste, uma atividade de grande risco. O objetivo deste trabalho foi avaliar a quantidade de frutos do imbuzeiro consumidos por caprinos durante a safra de 2004.






Consumo de frutos do imbuzeiro por caprinos
Introdução




As caatingas podem ser caracterizadas como florestas arbóreas ou arbustivas, compreendendo principalmente árvores e arbustos baixos muitos dos quais apresentam espinhos, microfilia e algumas características xerofíticas (Prado, 2003).
Segundo Sena (2003), algumas plantas nativas da região como a quixabeira, o juazeiro, a faveleira, a jurema, o licuri, a macambira, o mandacaru e o imbuzeiro conseguem sobreviver as adversidades climáticas da região e produzir frutos, folhas e partes comestíveis para alimentação dos animais domésticos e silvestres.
O rebanho de caprinos da região semi-árida do Nordeste esta estimado em 8,3 milhões de cabeças (Araújo, 2004). A maior parte desses animais, vive em sistemas de pastejo extensivo, onde a caatinga é o principal sustentáculo para os rebanhos. Contudo, a escassez de recursos naturais, com destaque para a água, torna a criação de animais no Nordeste, uma atividade de grande risco.
O objetivo deste trabalho foi avaliar a quantidade de frutos do imbuzeiro consumidos por caprinos durante a safra de 2003.




Material e Métodos





O trabalho foi realizado de janeiro a abril de 2004 em uma área da Caatinga com 30 ha na comunidade de Fazenda Saco no município de Jaguarari, Bahia. Utilizaram-se 17 caprinos selecionados ao acaso, sem padrão racial definido com peso vivo variando de 24 a 36 kg. Para determinação do consumo de frutos pelos animais, estes foram separados diariamente no final da tarde em pequenos chiqueiros onde ruminavam as sementes que eram coletadas e contadas no dia seguinte. Para obtenção do peso estimado dos frutos, tomou-se como base às informações de Silva et al. (1987) que obteve sementes com peso médio 1,46 g (10 % do peso do fruto) para frutos pesando, em média, 14,60 g. Com essa informação utilizou-se a seguinte fórmula para o cálculo do peso dos frutos: P = ps x 100/10. Onde: P = peso do fruto; ps = peso da semente; 100 = transformação percentual; e 10 = percentual do peso da semente em relação ao peso total do fruto. Assim, para os valores: ps = 1,46 g, aplicado à fórmula, tem-se que o peso estimado do fruto é de 14,60 g.


Resultados e Discussão



Na comunidade de Alto do Angico os animais consumiram, em média, 8.687 frutos no período de 62 dias. O maior número de frutos foi consumido pelo animal de número 12 que consumiu um total de 12.297 frutos, seguindo pelo animal de número 4 com um consumo de 11.187 frutos na safra do imbuzeiro. A menor quantidade de frutos foi consumida pelo animal de número 5 com um total de 6381 frutos em 60 dias de observação. O peso médio estimado dos frutos consumidos por animal foi de 158,22 kg com valores de 225 kg para o animal de númro 12 e 125 kg para o animal de número 4. A quantidade média de frutos consumida por dia foi de 164 frutos com peso estimado de 2,68 kg por animal. Em relação ao peso vivo dos animais, a quantidade de frutos consumidos correspondeu a 8,34%, em média. Esses valores indicam que no período da safra a alimentação dos caprinos é praticamente suprida pelos frutos do imbuzeiro.




Conclusões




Considerando-se os resultados obtidos, pode-se concluir que o fruto do imbuzeiro é um dos alimentos disponíveis na caatinga de grande aceitação pelos caprinos e ovinos. A quantidade de frutos do imbuzeiro consumida pelos animais nas comunidades é bastante significativa, visto que, no período de ocorrência da safra do imbuzeiro, a oferta de alimentos na caatinga é mais abundante.




Referências Bibliográficas




ARAÚJO, G. G. L. Cultivo Estratégico de forrageiras anuais e perenes visando a suplementação de caprinos e ovinos no semi-árido do Nordeste. Agronline. Disponível em: . Acesso em 17 jun. 2004.


SENA, L. P. É possível conviver com o Nordeste seco. Agropecuária Tropical. Disponível em: . Acesso em 18 set. 2003.


SILVA, C. M. M.; PIRES, I. E.; SILVA, H. D. Caracterização dos frutos do imbuzeiro. Petrolina: Embrapa, 1987. 17 p. (Embrapa. Boletim de Pesquisa, 34).


PRADO, E. D. As caatingas da América do sul. In.: Ecologia e conservação da caatinga/ Editores Inara R. Leal, Marcelo Tabarelli, José Maria Cardoso da Silva; prefácio de Marcos Luiz Barroso Barros. - Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2003. 822 p. il.




  Mais notícias da seção Artigos no caderno Artigos
12/05/2012 - Artigos - EFEITO DE DIFERENTES SUBSTRATOS NO DESENVOLVIMENTO DA JUREMINHA (Desmanthus virgatus L. WILLD)
Foram testados diferentes substratos, com o objetivo de verificar os que proporcionam melhores condições para o desenvolvimento de mudas de jureminha (Desmanthus virgatus L. WILLD). O delineamento experimental utilizado foi em blocos ao acaso com cinco substratos (areia, solo, areia + solo, areia + esterco e areia + solo + esterco, sendo as combina...
22/07/2010 - Artigos - EFEITO DO ESCOAMENTO SUPERFICIAL E DA PERDA DE SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO NO SEMI-ÁRIDO NORDESTINO
Os diferentes sistemas de cultivo utilizados pelos agricultores na região semi-árida do Nordeste apresentam reflexos diversos quanto aos valores de escoamento de água e perda do solo. Neste trabalho, objetivou-se avaliar o efeito do escoamento superficial e da perda de solo em três sistemas de cultivo. Os sistemas estudados foram: 1) Sulcos barrado...



Capa |  Artigos  |  Artigos publicados
Busca em

  
27 Notícias