| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Imbu Brasil
Desde: 03/04/2001      Publicadas: 27      Atualização: 12/05/2012

Capa |  Artigos  |  Artigos publicados


 Artigos

  01/10/2005
  0 comentário(s)


Consumo de xique-xique (Pilocereus gounellei K. Schum) por caprinos na caatinga

Resumo

O xique-xique (Pilocereus gounellei K. Schum) é uma Cactaceae utilizada, pelos agricultores, como uma alternativa para alimentação dos animais em períodos de longa estiagem nas caatingas do Nordeste brasileiro. Esta planta é a última alternativa dos agricultores para salvar seus animais, devido a grande dificuldade de sua utilização. Este trabalho teve como objetivo verificar o consumo de xique-xique pelos animais na caatinga e a sua utilização pelos agricultores das comunidades de Ouricuri e Caldeirãozinho (Uauá - BA) e Passagem de São Pedro (Jaguarari - BA). O levantamento foi realizado, no período de agosto a setembro de 2005, com a aplicação de um questionário junto aos agricultores das comunidades sobre a utilização do xique-xique na alimentação dos animais e a observação do consumo desta planta diretamente no campo pelos animais. Os resultados demonstraram que o xique-xique é utilizado por 36,54% dos agricultores da comunidade de Ouricuri, por 54,27% dos agricultores de Passagem de São Pedro e por 48,32% dos agricultores de Caldeirãozinho. Quanto ao consumo das plantas no campo, em média, cada planta é visitada por 4 a 6 caprinos no intervalo de 5 dias.

Consumo de xique-xique (Pilocereus  gounellei K. Schum) por caprinos na caatinga
Introdução

O xique-xique (Cereus gounellei) é uma Cactaceae de tronco ereto com galhos laterais afastados e descrevendo suavemente uma curva ampla em direção ao solo. Seus ramos são compostos por fortes espinhos de coloração verde-opaca, atingindo altura de até 3,75 m e o diâmetro da copa variando de 1,45 a 3,27 m. Suas flores são tubulosas com 15 a 17 cm de comprimento de cor branca. Os frutos são bagas arredondadas achatadas com polpa avermelhada e muita sementes. Os frutos são consumidos por diversos pássaros da caatinga. No período de seca esta planta é utilizada pelos agricultores, como uma alternativa para alimentação dos animais. O xique-xique é a última alternativa dos agricultores para salvar seus animais, devido a grande dificuldade de sua utilização em função da grande guantidade de espinhos. Quando os agricultores não encontram mais mandacaru, xique-xique e coroa-de-frade, eles recorrem ao xique-xique para alimentar os animais. A parte aérea da planta geralmente é cortada pelos agricultores no local onde se encontra e queimada para eliminação dos espinhos, sendo ofertada posteriormente para os animais. A análise bromatológica do xique-xique demonstrou que se pode encontrar em um kg de massa verde 108,33 g de matéria seca, 5,78 g de proteína bruta, 22,37 g de fibra bruta, água, sais minerais, carboidratos, entre outros componentes. Cada kg de massa verde fornece 253 kcal para os animais (Barbosa, 1997). Todavia, muitos animais consomem o xique-xique diretamente no campo, ainda com os espinhos, o que pode causar sérios danos, como perfuração dos olhos, boca, estômago e outras partes dos animais. O xique-xique ocorre nas caatingas dos estados do Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia (Lima, 1996). Leal et al. (2003) analisando a herbivoria de caprinos na região de Xingó, registaram o consumo de xique-xique pelos caprinos. Este trabalho teve como objetivo verificar o consumo de xique-xique pelos animais na caatinga e a sua utilização pelos agricultores das comunidades de Ouricuri e Caldeirãozinho (Uauá - BA) e Passagem de São Pedro (Jaguarari - BA).
Material e Métodos

O levantamento foi realizado, no período de agosto a setembro de 2005, com a aplicação de um questionário junto aos agricultores das comunidades sobre a utilização do xique-xique na alimentação dos animais e a observação do consumo desta planta diretamente no campo pelos animais. Foram entrevistados 18 agricultores da comunidade de Ouricuri, 12 de Caldeirãozinho e 14 de Passagem de São Pedro. Em cada comunidade, foi realizado um levantamento da densidade do xiuqe-xique em uma área de 1 hectare de caatinga, selecionados ao acaso.
Resultados e discussões
O xique-xique é utilizado por 36,54% dos agricultores da comunidade de Ouricuri, por 54,27% dos agricultores de Passagem de São Pedro e por 48,32% dos agricultores de Caldeirãozinho. Quanto ao consumo das plantas no campo, em média, cada planta é visitada por 4 a 6 caprinos no intervalo de 5 dias. Segundo os agricultores das comunidades entrevistados, o xique-xique é melhor para alimentação dos animais do que o mandacaru e o facheiro, todavia, causa muitos problemas de ferimentos e requer mais tempo no fogo para queimar os espinhos. Quanto a ocorrência do xique-xique nas comunidades, observou-se uma variação de 13 a 115 plantas/ha, sendo de 17 a 33 plantas/ha na comunidade do Ouricuri, 13 a 21 plantas/ha em Caldeirãozinho e de 79 a 115 plantas/ha na comunidade de Passagem de São Pedro.
Conclusões

O xique-xique é consumido pelos animais na caatinga e utilizado pelos agricultores na alimentação dos animais no período de seca.
Referências Bibliográficas

BARBOSA, H. P. Tabela de composição de alimentos do estado da Paraíba - Setor agropecuário. João Pessoa: UTPB/FAPEP, 1997. 165p. il.
LIMA, J. L. S. Plantas forrageiras da caatinga - uso e potencialidades. Petrolina-PE: Embrapa-CPATSA/PNE/RBG-KEW, 1996. 78p.

LEAL, I. R.; Vicente, A.; Tabarelli, M. Herbivoria por caprinos na caatinga da região de Xingó: uma análise preliminar. Ecologia e conservação da caatinga. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2003. 822p. il.


  Mais notícias da seção Artigos no caderno Artigos
12/05/2012 - Artigos - EFEITO DE DIFERENTES SUBSTRATOS NO DESENVOLVIMENTO DA JUREMINHA (Desmanthus virgatus L. WILLD)
Foram testados diferentes substratos, com o objetivo de verificar os que proporcionam melhores condições para o desenvolvimento de mudas de jureminha (Desmanthus virgatus L. WILLD). O delineamento experimental utilizado foi em blocos ao acaso com cinco substratos (areia, solo, areia + solo, areia + esterco e areia + solo + esterco, sendo as combina...
22/07/2010 - Artigos - EFEITO DO ESCOAMENTO SUPERFICIAL E DA PERDA DE SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO NO SEMI-ÁRIDO NORDESTINO
Os diferentes sistemas de cultivo utilizados pelos agricultores na região semi-árida do Nordeste apresentam reflexos diversos quanto aos valores de escoamento de água e perda do solo. Neste trabalho, objetivou-se avaliar o efeito do escoamento superficial e da perda de solo em três sistemas de cultivo. Os sistemas estudados foram: 1) Sulcos barrado...



Capa |  Artigos  |  Artigos publicados
Busca em

  
27 Notícias