| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Imbu Brasil
Desde: 03/04/2001      Publicadas: 27      Atualização: 12/05/2012

Capa |  Artigos  |  Artigos publicados


 Artigos

  28/10/2005
  0 comentário(s)


O consumo da Favela (Cnidoscolus phyllacanthus) pelos animais na caatinga no período de seca

Resumo




A favela (Cnidoscolus phyllacanthus (Muell. Arg.) Pax. Et K. Hoffman) é uma forrageira nativa das caatingas do Nordeste com sua distribuição geográfica nos estados do Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia, muito consumida pelos animais, principalmente no período de seca. Os animais consomem as folhas maduras quando estas caem no chão no final do período de chuvas. Na seca, alimentam-se dos brotos e casca da favela. Suas sementes são consumidas por animais silvestres e pelos caprinos. Este trabalho teve como objetivo verificar o consumo de favela pelos animais na caatinga no período de seca nas comunidades de Xique-xique, Pedreira e Pirajá no município de Curaçá - BA. O levantamento foi realizado no período de setembro a outubro de 2005. Foi realizada a observação do consumo desta planta diretamente no campo pelos animais de cada comunidade. Os resultados obtidos demonstraram que a favela é consumida por caprinos em todas as comunidades. Os animais preferem os brotos novos e a casca das plantas.

O consumo da Favela (Cnidoscolus phyllacanthus) pelos animais na caatinga no período de seca
Introdução



A favela (Cnidoscolus phyllacanthus (Muell. Arg.) Pax. Et K. Hoffman) é arbusto de grande porte da família das EUPHORBIACEAE com ramos lenhosos e crassos, com porte variando de 3,5 a 7,8 m, esgalhada irregularmente e armada com espinhos nas folhas. Quando os ramos são cortados, exsudam látex branco. Suas folhas são simples, alternas, espessas, lanceoladas, nervuras com espinhos urticantes. As flores são alvas, hermafroditas. Seus frutos são cápsulas deiscentes com três sementes (Barbosa, 1997; Lima, 1996).
No período chuvoso da caatinga que ocorre, geralmente de janeiro a maio, os animais consumem as folhas verdes e os frutos. No final das chuvas, as folhas amadurem e caem, sendo consumidas pelos animais. No período de seca que ocorre de agosto a dezembro, a favela fica com poucas folhas e como não há outras alternativas para alimentação dos animais na caatinga, eles consomem parte dos brotos e a casca das favelas.
Leal et al. (2003) analisando a herbivoria de caprinos na região de Xingó, registraram o consumo de favela pelos caprinos.
Soares (2001) avaliando a composição botânica da dieta de bovinos em vegetação típica de caatinga do sertão de Pernambuco registrou a ocorrência de 40 plantas de favela por hectare.
Este trabalho teve como objetivo verificar o consumo de favela pelos animais na caatinga no período de seca nas comunidades de Xique-xique, Pedreira e Pirajá no município de Curaçá - BA.



Material e Métodos



O levantamento foi realizado, no período de setembro a outubro de 2005, com a observação do consumo da favela pelos animais nas comunidades.
Foram entrevistados 12 agricultores da comunidade de Xique-xique, 8 de Pedreira e 6 de Pirajá.
Em cada comunidade, foi realizado um levantamento da densidade da favela em uma área de 1 hectare de caatinga, selecionados ao acaso.



Resultados e discussões


Foi observado o consumo da favela pelos caprinos nas três comunidades. Os animais ramoneiam a favela no período entre as 8 e 10 horas da manhã, consumindo, principalmente os brotos e a casca.
Os agricultores informaram que no período de maio a julho quando as folhas maduras da faveleira caem os animais dão preferência a este tipo de alimentos.
Na comunidade de Xique-xique os agricultores estão evitando o corte da favela para garantir alimentos para os animais na seca.
Quanto à ocorrência da favela nas comunidades, observou-se uma variação de 12 a 68 plantas/ha, sendo de 11 a 68 plantas/ha na comunidade do Xique-xique, 10 a 41 plantas/ha em Pedreira e de 37 a 58 plantas/ha na comunidade de Pirajá.




Conclusões



A faveleira é um importante alimento para os caprinos nas caatingas do semi-árido nordestino.


Referências Bibliográficas



BARBOSA, H. P. Tabela de composição de alimentos do estado da Paraíba - Setor agropecuário. João Pessoa: UTPB/FAPEP, 1997. 165p. il.


SOARES, J. G. Composição botânica da dieta de bovinos em vegetação típica de caatinga sob diferentes taxas de lotação. Petrolina, PE : Embrapa Semi-Árido, 2001. (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 54).

LIMA, J. L. S. Plantas forrageiras da caatinga - uso e potencialidades. Petrolina-PE: Embrapa-CPATSA/PNE/RBG-KEW, 1996. 78p.

LEAL, I. R.; Vicente, A.; Tabarelli, M. Herbivoria por caprinos na caatinga da região de Xingó: uma análise preliminar. Ecologia e conservação da caatinga. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2003. 822p. il.




  Mais notícias da seção Artigos no caderno Artigos
12/05/2012 - Artigos - EFEITO DE DIFERENTES SUBSTRATOS NO DESENVOLVIMENTO DA JUREMINHA (Desmanthus virgatus L. WILLD)
Foram testados diferentes substratos, com o objetivo de verificar os que proporcionam melhores condições para o desenvolvimento de mudas de jureminha (Desmanthus virgatus L. WILLD). O delineamento experimental utilizado foi em blocos ao acaso com cinco substratos (areia, solo, areia + solo, areia + esterco e areia + solo + esterco, sendo as combina...
22/07/2010 - Artigos - EFEITO DO ESCOAMENTO SUPERFICIAL E DA PERDA DE SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO NO SEMI-ÁRIDO NORDESTINO
Os diferentes sistemas de cultivo utilizados pelos agricultores na região semi-árida do Nordeste apresentam reflexos diversos quanto aos valores de escoamento de água e perda do solo. Neste trabalho, objetivou-se avaliar o efeito do escoamento superficial e da perda de solo em três sistemas de cultivo. Os sistemas estudados foram: 1) Sulcos barrado...



Capa |  Artigos  |  Artigos publicados
Busca em

  
27 Notícias